Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

De quatro continentes

· ​Depois da oração dominical do Regina caeli o Pontífice anunciou que no próximo dia 28 de junho criará cinco cardeais ·

D. Jean Zerbo, arcebispo de Bamako, no Mali; D. Juan José Omella, arcebispo de Barcelona, na Espanha; D. Anders Arborelius, bispo de Estocolmo, na Suécia; D. Luis Marie-Ling Mangkhanekhoun, bispo titular de Aquae Novae in Proconsulari, vigário apostólico de Paksé, no Laos; e D. Gregorio Rosa Chávez, bispo titular de Mulli, auxiliar da arquidiocese de San Salvador, em El Savador. São os cinco novos cardeais que o Papa criará no consistório de 28 de junho. Ele deu o anúncio no final do Regina caeli de domingo 21 de maio, anunciando também que no dia seguinte, quinta-feira 29 de junho, solenidade dos santos apóstolos Pedro e Paulo, concelebrará «a santa missa com os novos cardeais, com o colégio cardinalício, os novos bispos, os arcebispos metropolitanos, os prelados e alguns presbíteros». Confiando os novos purpurados aos dois padroeiros de Roma, Francisco convidou os fiéis presentes na praça de São Pedro a rezar a fim de que com a intercessão do primeiro «sejam autênticos servidores da comunhão eclesial» e com a do segundo «sejam anunciadores jubilosos do Evangelho no mundo inteiro e com o seu testemunho e conselho me ajudem mais intensamente no meu serviço de bispo de Roma, pastor universal da Igreja». De resto, frisou o Pontífice, «a sua proveniência de diferentes partes do mundo manifesta a catolicidade da Igreja difundida em toda a Terra e a atribuição de um título ou de uma diaconia na urbe exprime a pertença dos cardeais à diocese de Roma que, segundo a conhecida expressão de Santo Inácio de Antioquia, preside à caridade de todas as Igrejas».

Como de costume, a oração mariana dominical ofereceu ao Papa também a ocasião para recordar mulheres e homens que vivem situações de particular dificuldade. Como os habitantes da República Centro-Africana, de onde «infelizmente chegam notícias dolorosas». Conflitos armados provocaram numerosas vítimas e desabrigados, e ameaçam o processo de paz». Afirmando «estar próximo da população e dos bispos e de quantos se prodigalizam pelo bem do povo e pela convivência pacífica», o Papa garantiu a oração «pelos defuntos e feridos», renovando o apelo a fim de que «silenciem as armas e prevaleça a boa vontade de dialogar para dar ao país paz e desenvolvimento».

Depois, Francisco referiu-se à festa da bem-aventurada Virgem Maria «auxílio dos cristãos», venerada no santuário de Sheshan em Xangai. «No próximo dia 24 de maio – explicou – unir-nos-emos todos espiritualmente aos fiéis católicos na China», aos quais dirigiu o convite: «elevemos o olhar a Maria, nossa Mãe, para que nos ajude a discernir a vontade de Deus a respeito do caminho concreto da Igreja na China e nos ajude a aceitar com generosidade o seu desígnio de amor. Maria encoraja-nos a oferecer a nossa contribuição pessoal para a comunhão entre os fiéis e para a harmonia da sociedade inteira. Não nos esqueçamos de dar testemunho da fé com a oração e com o amor, mantendo-nos sempre abertos ao encontro e ao diálogo».

Por fim o Pontífice saudou os vários grupos presentes, em particular os «jovens crismados e crismandos na diocese de Génova: com a ajuda de Deus irei visitar a vossa cidade no próximo sábado», recordou.

Precedentemente, antes da recitação da prece mariana, comentando como de costume o evangelho dominical, Francisco refletiu sobre a figura da terceira pessoa da Trindade, o Espírito Santo. E o Paráclito, o «advogado», esteve no centro também das homilias das missas celebradas na tarde na paróquia romana de São Pedro Damião nos Montes de São Paulo, e na manhã do dia seguinte na capela da Casa Santa Marta. Pouco depois, na Sala do Consistório, o Pontífice recebeu em audiência as religiosas participantes no capítulo geral das Pias discípulas do divino Mestre, às quais dirigiu o convite a viver «a profecia da alegria» e «da esperança».

Regina caeli do Papa 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS