Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Crimes de lesa-humanidade

· ​Aos participantes no encontro de juízes e magistrados comprometidos na luta ao tráfico ·

É preciso erradicar o tráfico de pessoas e as novas formas de escravidão, como o trabalho forçado, a prostituição, o tráfico de órgãos, o narcotráfico e a criminalidade organizada», porque «se trata de verdadeiros crimes de lesa-humanidade», reiterou o Papa intervindo no encontro de juízes e magistrados, que teve lugar na Casina Pio IV no Vaticano, a 3 e 4 de junho.

Na sessão tarde do dia 3, o Pontífice uniu-se aos congressistas na sede da Pontifícia academia das ciências, e proferiu em espanhol um longo e complexo discurso, frisando que «a indiferença no mundo globalizado» impõe a busca de soluções para «melhorar as condições de vida dos nossos irmãos e irmãs mais necessitados». Assim, «a Igreja é chamada a comprometer-se» e portanto «não é válido o adágio do iluminismo, segundo o qual a Igreja não deve entrar na política». Pelo contrário, «a Igreja deve entrar na “grande” política», porque — acrescentou citando Paulo VI — a «política é uma das formas mais altas do amor, da caridade».

Usando como de costume uma linguagem por imagens, Francisco auspiciou em então «um movimento transversal e ondular, uma “boa onda”, que abrace a sociedade inteira, do alto para baixo e vice-versa, da periferia para o centro e vice-versa, dos líderes para as comunidades e dos povos e da opinião pública para os níveis mais altos».

Discurso do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS