Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A criação devastada

· O Papa Francisco no cemitério «del Verano» pediu para impedir a corrida insensata à destruição e à exclusão das pessoas e no Angelus recordou que os santos são os últimos para o mundo mas os primeiros para Deus ·

Quando o homem se apropria de tudo, considerando-se Deus, torna-se artífice de devastação e destruição. Celebrando a missa no cemitério romano «del Verano», na tarde de sábado 1 de Novembro, o Papa Francisco denunciou com preocupação «o egoísmo dos devastadores» que depredam a criação e semeiam ruínas de morte por toda a parte. O Pontífice falou sobre uma verdadeira «indústria da destruição», que em todo o mundo alimenta as guerras e difunde a «cultura do descarte», sobretudo em relação às crianças, idosos e jovens sem trabalho.

Na sua homilia Francisco evocou a imagem de muitos pobres obrigados a abandonar a própria terra e a viver sem casa, remédios e alimentos: «parece – constatou – que estas pessoas, estas crianças famintas, doentes, parece que não contam, que são de outra espécie, que não são humanos». Recordou-se também dos perseguidos por causa da fé e de quantos passaram através «da grande tribulação». Santos com frequência «desconhecidos»: homens e mulheres «comuns, simples, às vezes “últimos” para o mundo, mas “primeiros” para Deus», definiu-os durante o Angelus recitado na parte da manhã na praça de São Pedro, convidando os fiéis a rezar para que Jerusalém – «cidade santa, amada por judeus, cristãos e muçulmanos – se torne «sinal e antecipação da paz que Deus deseja para toda a família humana».

Recordou também as vítimas de guerras e violências, os «muitos “pequeninos” esmagados pela fome e pela miséria», os irmãos e irmãs «assassinados porque são cristãos» e «quantos sacrificaram a vida para servir aos outros» durante a oração mariana de domingo, 2 de Novembro, dia que o Papa dedicou depois à comemoração dos seus predecessores defuntos, com um momento de oração em privado nas Grutas do Vaticano.

Na manhã de segunda-feira na basílica vaticana o Pontífice presidiu à missa em sufrágio dos cardeais, arcebispos e bispos defuntos durante o ano. 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS