Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Coragem e optimismo respostas à secularização

· Bento XVI a bispos da Conferência episcopal francesa em visita ad limina ·

Há uma longa tradição missionária e espiritual que deve ser respeitada pela Igreja que está na França, definida por João Paulo II – durante a missa celebrada em Bourget a 30 de Junho de 1980 - «educadora dos povos». E foi precisamente referindo-se à solidez das suas raízes cristãs que Bento XVI renovou aos bispos franceses, recebidos  em audiência esta manhã, sexta-feira 21 de Setembro em visita ad limina, o convite a responder com optimismo e coragem aos desafios apresentados por uma sociedade cada vez mais secularizada. Hoje é necessário como nunca, acrescentou o Papa, propor com ousadia e criatividade a novidade permanente do Evangelho. O Pontífice examinou depois com os prelados franceses – o primeiro grupo de bispos transalpinos que realizam a visita canónica – algumas linhas de acção. A primeira recomendação de Bento XVI referiu-se aos sobretudo sacerdotes, especificou, os de nomeação mais recente. Eles precisam de um apoio constante, disse o Papa, para  serem capazes de expressar todo o valor da vida espiritual e intelectual em benefício da santificação do povo de Deus, na mesma medida devem ser seguidos os grupos paroquiais, chamados a revigorar o valor da celebração dominical. A paroquial, especificou o Papa, não é uma pastoral que se possa limitar a questões organizativas, por muito importantes que sejam, porque assim corre-se o risco de uma «burocratização da pastoral» e perde-se de vista o objectivo de levar os fiéis ao encontro com Deus. Nesta actividade é fundamental, reafirma o Papa, o trabalho dos leigos. Eles devem ser seguidos para que, no respeito das respectivas competências, se transformem em modelos de santidade laical ao serviço do bem comum.  Depois Bento XVI falou sobre a família. Matrimónio e família, disse, «devem ser promovidos e protegidos de todos os equívocos possíveis no que diz respeito à sua verdade». Por fim, os jovens cujas expectativas, disse, exigem uma catequese apropriada que os «ajude a encontrar o seu  lugar na comunidade dos crentes». Propósitos que o Papa confiou à Virgem e à co-padroeiras Joana d'Arc e Teresa de Lisieux.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS