Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A coragem da reconciliação

· O Papa Francisco expressa proximidade às populações da Nigéria atingidas pela violência ·

Cristãos e muçulmanos no alvo de quem usa a religião para fins de violência e morte

A paz «não é só ausência de conflitos ou resultado de algum compromisso político, ou fatalismo resignado». Ela comporta uma «canseira diária, corajosa e autêntica para favorecer a reconciliação, promover experiências de partilha, lançar pontes de diálogo, servir os mais débeis e os excluídos»; numa palavra, «consiste em construir uma cultura do encontro».

Escreve o Papa Francisco numa carta enviada aos bispos da Nigéria, o povoadíssimo país africano hoje vítima de um terrorismo cada vez mais desapiedado e feroz, alimentado por «novas e violentas formas de extremismo e de fundamentalismo, com base étnica, social e religiosa».

«Muitos nigerianos – denuncia o Pontífice – foram mortos, feridos e mutilados, sequestrados e privados de tudo: dos próprios familiares, da sua terra, dos meios de subsistência, da sua dignidade, dos seus direitos. Muitos já não podem regressar às suas casas». No alvo dos extremistas acabam «tanto cristãos como muçulmanos», irmanados «por um trágico fim perpetrado por pessoas que se proclamam religiosas, mas que abusam da religião para fazer dela uma ideologia a submeter aos próprios interesses de violência e de morte».

Francisco garante a sua proximidade aos bispos e aos fiéis que sofrem, agradecendo-lhes «porque no meio de tantas provações e sofrimentos, a Igreja na Nigéria não cessa de testemunhar o acolhimento, a misericórdia e o perdão». O Papa recorda em particular «os sacerdotes, os religiosos e as religiosas, os missionários e os catequistas que, mesmo entre indizíveis sacrifícios, não abandonaram o próprio rebanho, mas permaneceram ao seu serviço, bons e fiéis anunciadores do Evangelho». A eles, acrescenta, «gostaria de expressar a minha proximidade e dizer: não vos canseis de praticar o bem!».

O reconhecimento do Pontífice abrange também as muitas pessoas «de todas as extracções sociais, culturais e religiosas que, com grande determinação, se comprometem concretamente contra qualquer forma de violência e a favor de um porvir mais seguro e mais justo para todos». Um exemplo – define-o com as palavras de Bento XVI – do «poder do Espírito que transforma os corações das vítimas e dos seus carnífices para restabelecer a fraternidade». Em conclusão, o apelo aos prelados nigerianos: «Com perseverança e sem desânimo ide em frente pelo caminho da paz! Acompanhai as vítimas! Socorrei os pobres! Educai os jovens! Tornai-vos promotores de uma sociedade mais justa e solidária!».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS