Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Corações fortes para vencer a indiferença

· Mensagem do Papa Francisco para a quaresma ·

Para vencer a «globalização da indiferença» é preciso «um coração forte e misericordioso, vigilante e generoso», que «conhece as suas limitações e se gasta pelo outro». Escreveu o Papa Francisco na mensagem para a Quaresma, publicada na manhã de terça-feira, 27 de Janeiro, e dedicada ao tema «Fortalecei os vossos corações», tirado da carta de Tiago (5, 8).

Ao denunciar a «atitude egoísta» que torna indiferentes aos sofrimentos dos outros e «assumiu uma dimensão mundial», o Pontífice recorda que a Igreja «por sua natureza é missionária, não fechada em si mesma, mas enviada a todos os homens». Eis o apelo a transformar paróquias e comunidades em «ilhas de misericórdia no meio do mar da indiferença», evitando a tentação de se refugiar «num amor universal que se compromete no mundo distante, mas que se esquece do Lázaro sentado diante da própria porta fechada».

Para ser fiel a esta missão o Papa convida antes de mais a viver a comunhão dos santos, na qual – explica – «aquilo que cada um possui, não o reserva só para si, mas tudo é para todos». E «dado que estamos interligados em Deus, podemos fazer algo também pelos que estão longe, por aqueles que nunca poderíamos, só com as nossas simples forças, alcançar». Francisco exorta a não se deixar levar pela «espiral de terror e impotência» provocada pela difusão «de notícias e imagens assustadoras que nos contam o sofrimento humano» mas aumentam o nosso sentido de impotência. E, além da oração, recomenda um caminho contínuo de conversão porque – recorda – «a necessidade do irmão recorda-me a fragilidade da minha vida, a minha dependência de Deus e dos irmãos».

«Para superar a indiferença e as nossas pretensões de omnipotência – escreve na conclusão – gostaria de pedir a todos para viver este tempo de Quaresma como um percurso de formação do coração», na consciência de que «ter um coração misericordioso não significa ter um coração débil» mas «um coração forte, firme, fechado ao tentador mas aberto a Deus»: um coração «que se deixe compenetrar pelo Espírito e levar pelos caminhos do amor que conduzem aos irmãos e irmãs».

Texto integral da mensagem do Papa para a Quaresma de 2015 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS