Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Confiança e esperança

· Ao catholicos Aram o Papa recorda a história de provações e sofrimentos dos fiéis arménios ·

«Confiança e esperança: disto precisamos tanto», disse o Papa Francisco dirigindo-se ao catholicos da Igreja arménia apostólica da Cilícia, Aram I, durante o encontro realizado esta manhã, quinta-feira 5 de Junho, no Vaticano.

De confiança e esperança, especificou, «precisam os irmãos cristãos do Médio Oriente, sobretudo os que vivem nas zonas martirizadas pelo conflito e pela violência». Contudo, acrescentou, «delas precisamos também nós cristãos que não devemos enfrentar estas dificuldades, mas que muitas vezes corremos o risco de nos perder nos desertos da indiferença e do esquecimento de Deus, ou de viver no conflito entre irmãos, ou de sucumbir nas nossas batalhas interiores contra o pecado». Como seguidores de Jesus, exortou, «devemos aprender a carregar com humildade os pesos dos outros, ajudando-nos assim reciprocamente a ser mais cristãos, mais discípulos de Jesus», e caminhando «juntos na caridade».

Ao reconhecer o «progresso contínuo» nas «relações fraternas» entre a Igreja católica e a Igreja arménia apostólica, o Pontífice manifestou abertamente apreço pela actividade desempenhada pelo catholicos «pela causa da unidade dos crentes». Nesta direcção, garantiu, «partilhamos as mesmas esperanças e o mesmo compromisso responsável, cientes de caminhar assim na vontade do Senhor Jesus».

O Papa Francisco não deixou de recordar que a vida dos cristãos arménios foi «marcada por uma história de provações e sofrimentos, aceites corajosamente por amor a Deus». A Igreja apostólica – frisou – «viu-se obrigada a tornar-se um povo peregrino, experimentando assim de modo muito singular o próprio estar a caminho rumo ao reino de Deus». A história «de emigração, perseguição e martírio de tão grande número de fiéis deixou feridas profundas nos corações de todos os arménios», afirmou, exortando a ver nelas as «feridas do próprio corpo de Cristo».

No final do colóquio privado e do encontro na Sala Clementina, o Papa Francisco e o catholicos Aram I foram à capela Redemptoris Mater onde rezaram juntos.

O texto integral do discurso do Papa 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

26 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS