Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Como pão partido

· ​Na missa do Corpus Christi o Papa pediu aos cristãos para repetir com a própria vida o gesto de Jesus ·

«Jesus partiu-se, partiu-se por nós. E pede para nos doarmos, partirmos pelos outros», disse o Papa Francisco durante a missa presidida na tarde de quinta-feira 26 de maio, solenidade do Corpo e sangue de Cristo, no adro da basílica de São João de Latrão.

A tradicional celebração precedeu, como de costume, a procissão que, percorrendo a rua Merulana chegou a Santa Maria Maior, onde o Pontífice deu a bênção eucarística aos numerosos presentes.

No homilia Francisco realçou o gesto de Jesus durante a última ceia, comparando-o com o análogo realizado com os cinco pães e os dois peixes para alimentar a multidão que o seguia. «Os pedaços de pão, partidos pelas mãos santas e veneráveis do Senhor – observou a este propósito – passam pelas pobres mãos dos discípulos, os quais os distribuem às pessoas. Também isto é «fazer» com Jesus, é “dar de comer” juntamente com ele». Para o Papa «é claro que este milagre não quer somente saciar a fome de um dia, mas é sinal daquilo que Cristo tenciona realizar para a salvação de toda a humanidade». E todavia «é necessário passar sempre através daqueles dois pequenos gestos: oferecer os poucos pães e peixes que temos; receber o pão partido pelas mãos de Jesus e distribuí-lo a todos».

Neste sentido o gesto «de partir o pão» representa «o ícone, o sinal de reconhecimento de Cristo e dos cristão». A Eucaristia torna-se assim «o centro e a forma de vida da Igreja». Daqui deriva a missão de cada crente, chamado a seguir as pegadas dos numerosos santos «famosos ou anónimos» que «“se partiram” a si mesmos, a própria vida, para “dar de comer” aos irmãos».

Francisco dirigiu um pensamento especial às mães e aos pais que «juntamente com o pão quotidiano, cortado na mesa de casa, partiram o seu coração para fazer crescer os filhos», sem esquecer quantos «como cidadãos responsáveis, partiram a própria vida para defender a dignidade de todos, especialmente dos pobres, marginalizados e discriminados». Onde encontraram a força para fazer isto? Precisamente na Eucaristia, que contém em si a «potência de amor do Senhor ressuscitado».

Homilia do Papa  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS