Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Como a flor da amendoeira

· ​O Papa Francisco na recordação de dom Giussani e da sua teologia do encontro com Cristo convida Comunhão e libertação a ser protagonista de uma Igreja em saída ·

Como a amendoeira que floresce primeiro e anuncia a primavera: recorre a esta imagem o Papa Francisco para recordar que Jesus «nos precede sempre» — nos primerea, diz repetindo um termo que lhe agrada — «e quando chegamos, Ele já está à nossa espera». Deste modo o Pontífice voltou a propor o espírito do encontro do homem com Cristo, evocando a ideia central do pensamento de dom Luigi Giussani, fundador de Comunhão e libertação, cujos membros se encontraram em grande número na manhã de 7 de Março na praça de São Pedro para o recordar a dez anos do falecimento e no sexagésimo aniversário de fundação do movimento.

«Tudo na nossa vida, tanto hoje como na época de Jesus, começa com um encontro», insistiu. «E — acrescentou — sem a misericórdia não se pode entender esta dinâmica do encontro que suscita a admiração e a adesão». Com efeito, só «quem foi afagado pela ternura da misericórdia conhece verdadeiramente o Senhor. O lugar privilegiado do encontro é a carícia da misericórdia de Jesus Cristo pelo meu pecado».

Referendo-se às origens do movimento, o Papa falou de um carisma «que não perdeu o seu vigor e vitalidade». E recordou que «na Igreja todos os carismas devem ser “descentrados”», pois «só o Senhor está no centro». Além disso, convidou a não «petrificar» a herança deixada pelo fundador, fazendo dela «um museu de recordações», mas a afastar a tentação da auto-referencialidade, que alimenta uma «espiritualidade de etiqueta». Somente permanecendo «centrados em Cristo e no Evangelho», concluiu o Santo Padre, «vós podeis ser braços, pés, mente e coração de uma Igreja em saída», que vai «em busca dos distantes nas periferias, para servir Jesus em cada pessoa marginalizada, abandonada, sem fé, decepcionada pela Igreja, prisioneira do próprio egoísmo».

Texto integral do discurso do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS