Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Com os operários e as vítimas dos usurários

As vítimas da usura e os operários que estão a perder o trabalho vieram nesta manhã para se encontrar com o Papa «a fim de receber esperança e solidariedade», e sentir-se «menos sozinhos, animar-se e encontrar também a força para lutar por uma vida melhor». Os representantes da Conselho italiano anti-usura e os operários da Shelbox de Castelfiorentino apresentaram ao Pontífice, uns ao lado dos outros, as suas «histórias dramáticas, vividas na periferia de uma sociedade que considera as pessoas em dificuldade como descarte para marginalizar».

Para dar voz ao amplo serviço do Conselho nacional anti-usura chegaram à Praça de São Pedro mais de duas mil e quinhentas pessoas. Com os sacerdotes e voluntários que animam as vinte e oito federações e os centros de escuta em toda a Itália, havia muitas pessoas vítimas da usura ou que correm o risco de cair nas mãos dos usurários: calculam-se cerca de quatro milhões de famílias na Itália. Com elas muitas vítimas de usurpações, ex-jogadores de azar e «pessoas que vivem sob a tutela do Estado, longe das próprias famílias, porque ameaçadas pela criminalidade organizada», explicou monsenhor Alberto D'Urso, vice-presidente e secretário-geral da consulta. «Ao Papa pedimos para nos encorajar – acrescentou – sobretudo neste momento de crise que agrava situações já difíceis». E «queremos reafirmar que é possível sair da mordaça da usura e libertar-nos da dependência do jogo sob condição de que haja mais prevenção, mais sobriedade, solidariedade, lealdade e, sobretudo, um acompanhamento espiritual e prático para quem caiu na pobreza».

E precisamente para testemunhar «a proximidade da Igreja aos problemas concretos das pessoas» o cardeal arcebispo de Florença, Giuseppe Betori, quis estar esta manhã ao lado da delegação dos operários da empresa Shelbox de Castelfiorentino, que vieram para apresentar ao Pontífice a sua dramática situação. «Hoje, com o Papa Francisco, sentimo-nos menos sozinhos e regressamos a casa com mais coragem para lutar pelo futuro das nossas famílias».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS