Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A chave nas mãos dos pobres

· O Papa Francisco abriu a porta da caridade do albergue da estação Termini e às Ferrovias italianas recordou a necessidade de prestar atenção e assistência aos necessitados ·

«Os mais pobres, os doentes, os encarcerados, os mais pecadores, se se arrependerem, nos precederão no Céu. Eles têm a chave»: recordou o Papa Francisco durante a missa celebrada no refeitório do albergue da Cáritas diocesana de Roma, onde foi na tarde de sexta-feira, 18 de Dezembro, para abrir a porta da caridade. E para dar concretitude às suas palavras, o Pontífice pediu para ser acompanhado por quatro hóspedes da estrutura escolhidos entre muitos que vivem nas proximidades da estação Termini.

Durante a cerimónia, intencionalmente austera, na qual os protagonistas foram precisamente os últimos, o Pontífice atravessou a entrada do refeitório do albergue e, em seguida, celebrou a missa. Na homilia o bispo de Roma convidou a rezar pela sua diocese: «Hoje nós rezamos – disse – por todos os habitantes de Roma, por todos, a partir de mim, para que o Senhor nos dê a graça de nos sentirmos descartados; porque não temos mérito algum: só ele nos dá a misericórdia e a graça. E para nos aproximarmos daquela graça devemos aproximar-nos dos descartados, dos pobres, daqueles que têm necessidade, porque todos nós seremos julgados sobre esta aproximação». Daqui o auspício «a fim de que o Senhor, abrindo esta porta, dê esta graça a Roma inteira, a todos os seus habitantes, para poder ir em frente naquele abraço da misericórdia, onde o pai pega no filho ferido, mas o ferido é o próprio pai: Deus é ferido de amor».

A celebração teve uma repercussão significativa na manhã seguinte, sábado 19, quando o Papa recebeu em audiência dirigentes e funcionários das Ferrovias do Estado italiano, que financiaram a renovação e a ampliação do albergue da rua Marsala. Elogiando as suas iniciativas de solidariedade, Francisco falou também dos Help Centers, «presentes em dezenas de cidades italianas. São «balcões-antena» de atendimento – recordou – que permitem a quem está em dificuldade encontrar escuta, socorro e assistência». Eis a razão do convite a «manter unido o país inclusive a nível social, contribuindo para evitar também que se acentue a distância entre os ricos e aqueles aos quais falta tudo».

Homilia do Papa no albergue da Cáritas

Discurso aos funcionários das Ferrovias do Estado italiano

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS