Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

In castro poenitentiae

· O ensaio ·

Apesar de ter sido publicado há muitos anos, In castro poenitentiae. Santità e società femminile nell'Italia medievale, de Anna Benvenuti (Herder, 1990) permanece, juntamente com outros ensaios escritos por esta especialista italiana da Idade Média, o principal ponto de referência para quem quiser informar-se sobre a vida das eremitas urbanas que povoavam os povoados habitados na Idade Média. A partir do século XIII assiste-se ao reflorescer de um novo tipo de reclusas urbanas, que viviam sozinhas, ou com poucas companheiras, no coração da cidade ou nos arredores, muradas em pequenas celas ou ao longo dos muros da cidade. Os fiéis ofereciam-lhes o sustento, e o bispo e o clero, os sacramentos e os cuidados espirituais. A sua presença tornou-se uma característica peculiar das cidades italianas da Idade Média e esta tipologia, frequente nas colecções hagiográficas, testemunha uma espontaneidade criativa da religiosidade feminina não igualada nos séculos sucessivos. As reclusas davam conselhos espirituais a quem se aproximava delas e, nos auspícios da cidade, afastavam os perigos com as suas orações nas pequenas celas que muitas vezes estavam no limiar entre as habitações e os campos. (@Luce Scaraffia)

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS