Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Casa e mãe para todos

· Na mensagem para o dia missionário mundial o Papa pede que a Igreja redescubra a alegria do anúncio ·

E às misericórdias da Itália renova o convite a ir pelas estradas em busca dos pobres e doentes

A «grande urgência» da missão ad gentes solicita hoje a Igreja a redescobrir a alegria do anúncio para se tornar «casa para muitos, mãe para todos os povos». Escreve o Papa Francisco na mensagem para o dia missionário mundial de 2014, que se celebrará no próximo dia 19 de Outubro, reafirmando que «a Igreja é por sua natureza missionária» porque «nasceu “em saída”».

Recordando a missão confiada pelo Senhor aos setenta e dois discípulos enviados às cidades e aldeias para anunciar o reino de Deus, o Pontífice observa que eles «voltaram cheios de alegria». E é precisamente a alegria o fio condutor sugerido pelo bispo de Roma para descobrir de novo o sentido profundo daquela «primeira e inesquecível experiência missionária».

Com efeito, o risco para a humanidade contemporânea, é que de se abandonar a «uma tristeza individualista que brota do coração cómodo e avarento». Eis o motivo da necessidade de «haurir da salvação que Cristo trouxe» através da obra de missionários «chamados a alimentar a alegria da evangelização».

Francisco convida todos os cristãos a «uma constante saída rumo às periferias do próprio território, onde há mais pessoas pobres à espera». E admoesta que «em muitas regiões escasseiam as vocações para o sacerdócio e para a vida consagrada» - assim como «as vocações laicais para a missão» - precisamente porque falta nas comunidades «um fervor apostólico contagioso, motivo pelo qual elas são pobres de entusiasmo e não atraem».

Na realidade, a alegria do Evangelho «brota do encontro com Cristo e da partilha com os pobres». Uma perspectiva que o Papa indicou também às dezenas de milhares de pertencentes às Misericórdias da Itália e aos grupos de doadores de sangue Fratres, que recebeu na manhã de sábado 14 de Junho, na praça de São Pedro. «A exemplo do nosso Mestre – exortou-os – também nós somos chamados a fazer-nos próximos, a partilhar a condição das pessoas que encontramos». A consequência é a de imitar Jesus, o qual «vai pelas estradas e não planificou nem os pobres, nem os doentes, nem os inválidos com os quais se cruza ao longo do caminho; mas pára com o primeiro que encontra, tornando-se presença que socorre».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

12 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS