Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Cartas do diretor

A viagem do Papa à Roménia foi densa de encontros e de eventos importantes, sob muitos pontos de vista, mas o momento mais intenso, que me comoveu até às lágrimas, foi durante o encontro com as famílias em Iaşi, na tarde de sábado, 1 de junho. Depois do testemunho de um jovem casal, chegou a vez de uma família guiada pelos idosos avós, Elisabetta e Ioan, com os seus onze filhos, dos quais quatro religiosos, duas religiosas e dois sacerdotes, além de numerosos netos, «hoje todos reunidos, assim como outrora, aos domingos de manhã, todos se encaminhavam rumo à igreja». O testemunho foi pronunciado por Elisabetta, a avó, já um pouco encurvada pelos anos mas orgulhosa com aquele rosto, emoldurado pelo lenço, que é o rosto camponês de todas as avós do mundo. Pensei nas minhas duas avós, enquanto olhava para ela que, com firmeza, simplicidade e seriedade, falava com o Santo Padre. Mas quem me comoveu foi Ioan, o marido. Estava ali ao lado, muito mais alto do que Elisabetta, a ouvir com a roupa do domingo as bonitas palavras da esposa, e o seu rosto, os pequenos movimentos do corpo revelavam a forte emoção. Quando terminou o testemunho, aproximaram-se e ela beijou as mãos do Papa que retribuiu o gesto, naquele momento Ioan começou a chorar e depois também ele se inclinou para beijar as mãos do Papa, sempre entre as lágrimas que aumentaram abundantemente quando o Papa beijou as suas. Naquelas lágrimas, de alegria incrédula e de gratidão, talvez de orgulho em relação à esposa e à sua família, naquele ser quase pasmado enquanto a esposa orientava o “procedimento” das saudações ao Papa por parte de todos os familiares, sobressaiu a ternura de uma longa história humana, uma história ao mesmo tempo única e universal, maravilhosa e dramática, pela sua mistura de força e fragilidade. Entre os três protagonistas da cena, Ioan estava visivelmente comovido, mas naquela praça não era o único que derramava lágrimas de felicidade pelo fascinante dom representado por uma vida passada juntos, na fidelidade e na fecundidade.

A.M.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS