Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Carícia para os pobres

· ​Às Cáritas das dioceses italianas Francisco confirma a importância do voluntariado e encoraja a dar continuidade ao compromisso de solidariedade em relação aos imigrantes ·

«Os pobres são a proposta forte que Deus faz à Igreja a fim de que cresça no amor e na fidelidade», sublinhou o Papa Francisco falando aos participantes no trigésimo oitavo congresso nacional das 220 Cáritas diocesanas da Itália, recebidos na Sala Paulo VI na manhã de 21 de abril. Depois de ter recordado que os necessitados esperam «a caridade, ou seja, a “carícia” misericordiosa do Senhor, através da “mão” da sua Igreja», o Pontífice esboçou uma espécie de decálogo sobre o modo como deve ser a misericórdia — tema do jubileu e dos trabalhos congressuais — «no mundo de hoje, complexo e interligado»: uma misericórdia — explicou — que seja ao mesmo tempo «atenta e informada, concreta e competente, pessoal mas também comunitária, credível, organizada e formada, responsável e coordenada, capaz de alianças e de inovação, delicada e acolhedora, aberta a todos, atenciosa». No início do encontro, respondendo à saudação que lhe foi dirigida pelo cardeal presidente da Cáritas italiana, Francesco Montenegro, o Papa relançou a opção preferencial pelos pobres, do organismo eclesial desejado por Paulo VI há quarenta e cinco anos. De resto, a missão das Cáritas — nacionais, diocesanas e paroquiais — continua a ser atual, disse o Pontífice, «diante dos desafios globais que semeiam medo, iniquidades e especulações financeiras». Como atual permanece também a necessidade de um trabalho diário no território, desempenhado pelo voluntariado cristão, «assumindo o compromisso de educar para o encontro respeitoso e fraterno entre culturas e civilizações». Por isso, encorajou a «promover comunidades que tenham a paixão pelo diálogo» e «a prosseguir no compromisso e na proximidade em relação às pessoas imigrantes», também porque, observou, «o fenómeno das migrações apresenta aspetos críticos que devem ser geridos com políticas orgânicas e clarividentes», mas «permanece sempre uma riqueza e um recurso», pelo que são bem-vindas «escolhas que favoreçam a integração».

Discurso do Papa 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS