Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Capazes de amar

· Na audiência geral o Papa Francisco fala sobre a diversidade e a unidade dos carismas na Igreja ·

A «capacidade de amar» é um carisma que «todos temos», por isso é preciso pedir na oração que sejamos capazes de «amar muito», sobretudo a Igreja, e saibamos aceitar «com amor de filhos» todos os carismas presentes nela. Na audiência geral de quarta-feira 1 de Outubro, festa de santa Teresa do Menino Jesus, o Papa Francisco retomou as reflexões dedicadas à Igreja, tratando em particular da diversidade e unidade dos carismas presentes no seu interior. 

A este propósito recomendou a sua valorização, evitando contudo catalogá-los como causa «de confusão, de dificuldade» para as comunidades cristãs. De facto, para o Pontífice os carismas são «dons que Deus concede» à Igreja «para que possa crescer harmoniosa na fé». De resto, acrescentou, «o mesmo Espírito que proporciona esta diferença, realiza a unidade da Igreja». Ao mesmo tempo, o Pontífice alertou contra a tentação de transformar os vários dons concedidos pelo Espírito Santo em «motivo de inveja, de divisão e de ciúmes», porque «todos são importantes aos olhos de Deus». E isto significa, esclareceu, «que precisamos uns dos outros», até porque «cada dom recebido realiza-se plenamente quando é partilhado para o bem de todos». Esta imagem define bem a ideia que Francisco tem da Igreja. «E quando a Igreja, na variedade dos seus carismas, se exprime em comunhão, não pode errar: é a beleza e a força do sensus fidei, do sentido sobrenatural da fé, que é doado pelo Espírito Santo a fim de que, juntos, possamos entrar no coração do Evangelho e aprender a seguir Jesus na nossa vida», explicou.

Acrescentando depois ao texto preparado um pensamento sobre a festa de santa Teresa de Lisieux, o Papa recordou como a jovem carmelita, morta com vinte e quatro anos, desejou ser missionária. Mas, através da oração compreendeu «que o seu carisma era o amor». Por isso, é preciso pedir a sua intercessão para obter a capacidade de amar. Enfim, ao saudar os grupos de fiéis na praça de São Pedro, o bispo de Roma pediu para rezar também pelo iminente Sínodo dos bispos dedicado à família. Antes da audiência geral, Francisco teve um comovedor encontro na sala Paulo VI com as crianças deficientes assistidas nas estruturas fundadas pelo beato Luigi Monza.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS