Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Bento XVI esperado no México e em Cuba

· De 23 a 29 de Março a vigésima terceira viagem internacional do pontificado ·

Já se encontra tudo pronto em León para dar as boas-vindas a Bento XVI, que está prestes a iniciar a sua vigésima terceira viagem apostólica além das fronteiras italianas. México e Cuba são as metas deste novo empenho pastoral do Papa.

No México o Pontífice permanecerá de sexta-feira 23 a segunda-feira 26 de Março quando, na primeira parte da manhã, partirá para Santiago de Cuba, a primeira etapa na ilha caribenha. A segunda será Havana, onde permanecerá até à primeira parte da tarde de quarta-feira 28 de Março.

Os mexicanos esperam do Papa «uma injecção de esperança para um futuro sem violência», explica ao nosso jornal o arcebispo de León, D. José Guadalupe Martín Rábago. Por sua vez, Cuba espera que da visita de Bento XVI chegue um ulterior encorajamento para enfrentar esta fase de transição que está a projectar o país rumo à democracia, como nos refere o cardeal arcebispo de San Cristóbal de La Habana, Jaime Lucas Ortega y Alamino.

Expectativas, contudo, confirmadas pelo cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado que, numa ampla entrevista sobre diversos temas, concedida a Andrea Tornielli e publicada em «La Stampa» de quinta-feira 22 de Março, dissertou entre outras coisas precisamente sobre as esperanças do povo cubano.

Numa entrevista precedente concedida à emissora mexicana Televisa e ao diário «El Sol de México», o purpurado ofereceu reflexões análogas a propósito da visita ao México.

Sobre as aspirações cubanas a um impulso renovado rumo à plena afirmação da democracia o cardeal falou ao responder a uma pergunta sobre o seu conhecimento pessoal da situação actual na ilha. Referindo-se à histórica visita do Papa Wojtyła, o cardeal Bertone indicou-a como ponto de partida para o renovado diálogo entre Estado e Igreja, graças ao qual foram dados «passos importantes rumo à liberdade religiosa» e se reforçou «a cooperação». Certamente, reconheceu, ainda existem diversas situações a enfrentar, por exemplo em matéria de escolas e instituições eclesiásticas; mas disse que está convicto de que a visita de Bento XVI «ajudará o processo de desenvolvimento rumo à democracia e abrirá novos espaços de presença e de actividade» para a Igreja. O purpurado disse que está certo de que o governo e o povo cubano «farão o máximo esforço para receber o Papa e para lhe manifestar a estima e a confiança que merece o chefe da Igreja católica».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS