Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Atletismo do Vaticano nas olimpíadas

Pela primeira vez o Comité olímpico internacional (Cio) convidou formalmente uma delegação da Santa Sé, guiada pelo subsecretário do Pontifício conselho para a cultura, monsenhor Melchor Sanchez de Toca, para participar na abertura dos Jogos invernais de PyeongChang na Coreia a 9 de fevereiro e também, de 5 a 7 de fevereiro, na sessão olímpica como observador. Esta última é a reunião dos membros do Cio, uma espécie de assembleia geral do movimento, na qual se debatem os grandes temas da agenda desportiva no mundo.

«A abertura dos Jogos invernais em Pyeonchang – observou o sacerdote – a poucos quilómetros da fronteira que separa as duas Coreias, a fronteira mais militarizada do mundo, adquire um valor simbólico único graças à presença de atletas da Coreia do Norte que participarão, formando um único comité com os colegas da Coreia do Sul». E assim «a pequena trégua olímpica permite que se continue a esperar num mundo sem guerras, não obstante os muitos conflitos atualmente em curso».

Como sinal de amizade, monsenhor Sanchez de Toca entregará ao presidente do Cio, o alemão Thomas Bach, a aos atletas coreanos as t-shirts de Athletica Vaticana, a equipa de corredores composta por funcionários da Santa Sé que a Secretaria de Estado inseriu precisamente na égide do Pontifício conselho para a cultura. Um grupo que faz da solidariedade e da amizade as suas caraterísticas técnicas de fundo. Além disso os «maratonistas do Papa», que correram na Via pacis em setembro juntamente com a histórica equipa judia do Maccabi e os runners da comunidade islâmica romana, em março estabelecerão uma geminação desportiva com a equipa protestante alemã do Lutherstad Wittenberg.

Portanto, será a primeira vez que uma representação simbólica do Vaticano participará não só na cerimónia, já tinha acontecido no Rio de Janeiro em 2016, mas também na sessão olímpica. Entretanto as relações de amizade e de colaboração entre o Cio e a Santa Sé, embora sem a possibilidade de participação olímpica direta de «atletas do Vaticano», continuam com diversos projetos, como os Jogos olímpicos da juventude programados para outubro em Buenos Aires.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS