Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Ataque americano na Síria

· Mísseis lançados por dois porta-aviões destruíram a base de Al Shayrat ·

Washington, 7. «Este ataque provoca um dano notável nas relações russo-americanas, que já se encontram num estado deplorável». Foram suficientes as poucas palavras pronunciadas hoje de manhã pelo presidente russo, Vladimir Putin, para fazer entender o clima entre Moscovo e Washington depois do ataque de mísseis americanos contra a base síria de Al Shayrat. O líder do Kremlin não hesitou em classificar como «agressão contra um Estado soberano que viola o direito internacional». Depois acusou: com este ataque a Casa Branca procura «desviar a atenção da opinião pública das numerosas vítimas entre a população civil de Mosul no Iraque». Moscovo pediu uma reunião de emergência do Conselho de segurança.

Os americanos atacaram a base de Al Shayrat da qual – segundo as informações do Pentágono – na terça-feira passada partiram os aviões sírios com as armas químicas que mataram mais de oitenta civis em Khan Sheikhun. Antes de atacar, os russos teriam sido avisados, mas sob este ponto não há confirmação oficial alguma. Os mísseis – 59 Tomahawk – foram lançados de dois porta-aviões ao largo do Mediterrâneo. De acordo com fontes militares sírias, as vítimas seriam seis. Segundo o Observatório sírio para os direitos humanos (ong, voz da oposição em exílio em Londres), teriam sido «dezenas os membros e os oficiais das forças de Damasco assassinados e feridos» na base a cerca de 25 km a sudoeste de Homs. Era a segunda maior base aérea da Síria. Além dos hangares dos aviões, a base incluía um batalhão da defesa aérea, habitações de oficiais e um depósito de combustível.

Da sua residência em Mar-a-Lago, na Flórida, onde recebeu o presidente chinês Xi Jinping, Donald Trump motivou a sua decisão afirmando que «o ditador sírio Assad perpetrou um ataque terrível com armas químicas contra civis inocentes, matando homens, mulheres e crianças. Para muitos deles foi uma morte lenta e dolorosa. Inclusive crianças pequenas e belíssimas foram assassinadas cruelmente neste ataque bárbaro. Criança alguma jamais deveria sofrer tal horror».

Depois o presidente anunciou: «Hoje à noite ordenei um ataque mirado contra a base da qual partiu o ataque químico. É um interesse vital dos Estados Unidos prevenir e impedir a difusão e o uso de armas químicas mortais». A Síria, acrescentou, «ignorou as advertências do Conselho de segurança da Onu» porque «não se podem discutir as responsabilidades da Síria no uso das armas químicas».

Sobre os factos de terça-feira passada, Moscovo tem uma versão diferente. Para o Kremlin, os aviões de Assad estavam a atacar uma base do chamado estado islâmico (Ei). As bombas teriam destruído um depósito no qual armazenavam armas químicas que provocou a nuvem tóxica que matou dezenas de civis. Precisamente por isso, Moscovo ameaçou o veto ao conselho de segurança da Onu sobre uma resolução de condenação anti-Assad e criticou duramente Trump.

Muito diversa a posição dos países da Otan. A Turquia definiu «positiva» a viragem dada por Trump, falando de «desenvolvimento importante e significativo». A primeira-ministra britânica Theresa May declarou que se tratou de uma «resposta adequada ao bárbaro ataque». Mais discreta a reação de outros países europeus. A alta representante europeia para as relações exteriores e política de segurança, Federica Mogherini, declarou que Bruxelas «tinha sido informada da probabilidade de uma iminente viragem dos Estados Unidos».

Edição em papel

 

AO VIVO

El Papa Francisco En Génova – Concelebración Eucarística

27 de Maio de 2017

Próximos eventos

NOTÍCIAS RELACIONADAS