Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Assassinados porque eram cristãos

· Dois jovens paquistaneses maltratados e queimados vivos ·

Violência e terror no Paquistão. Uma multidão enfurecida maltratou e depois queimou vivo um casal de jovens cristãos, acusados de blasfémia por terem profanado o Alcorão. A dramática vicissitude – referida pela agência Fides – teve lugar na aldeia Chak 59, nos arredores da pequena cidade de Kot Radha Kishan, a sul de Lahore, no Estado norte-ocidental de Punjab. Lahore é a mesma cidade onde o Supremo Tribunal paquistanês confirmou recentemente a condenação à morte de outra cristã acusada de blasfémia, Asia Bibi, mãe de cinco filhos, na prisão desde 2009. Segundo as forças da ordem, depois de terem sido espancados de modo selvagem, os dois jovens – Shahzad Masih e a sua esposa Shama, respectivamente 26 e 24 anos – foram lançados para uma fornalha por um numeroso grupo de muçulmanos provenientes das aldeias circunvizinhas. Logo depois, muitas famílias de cristãos na região fugiram. Os dois jovens cristãos eram casados e tinham três filhos. Além disso, Shama estava grávida. Segundo a reconstrução fornecida pelos meios de comunicação, a acusação de profanação do Alcorão está ligada à morte recente do pai de Shahzad. Há dois dias, Shama, limpando a casa do pai do marido, tinha deitado fora alguns objectos pessoais do sogro, sobretudo papéis e documentos, que – considerados inúteis – foram queimados. Segundo um muçulmano, colega dos dois jovens e que estava presente naquela situação, na fogueira teriam sido queimadas algumas páginas do Alcorão.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS