Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A favor da paz
e da salvaguarda da criação

· Apelos do Pontífice na audiência geral ·

Um apelo a favor da paz e outro em prol da salvaguarda da criação foram lançados pelo Papa na audiência geral de quarta-feira 11 de outubro. Com os fiéis presentes na praça de São Pedro, Francisco recordou o centenário das últimas aparições marianas em Fátima e o dia internacional para a redução dos desastres naturais, celebrações que recorrem a 13 de outubro. «Com o olhar dirigido à mãe do Senhor e rainha das missões», o Pontífice convidou «especialmente neste mês de outubro, a recitar o santo rosário pela intenção da paz no mundo».

Com os votos de que «a oração possa despertar os espíritos mais indisciplinados a fim de que eliminem do coração, das palavras e dos gestos a violência», preocupando-se com o «cuidado da casa comum». E sobre este tema dirigiu também o «urgente apelo em prol da salvaguarda da criação mediante uma tutela e cuidado cada vez mais atentos do meio ambiente». Francisco dirigiu-se diretamente às instituições e a quantos têm responsabilidades públicas e sociais, convidando-os a promover «uma cultura que tenha cada vez mais como objetivo a redução da exposição aos riscos e às calamidades naturais. Os gestos concretos, destinados ao estudo e à defesa da casa comum — exortou — possam reduzir progressivamente os riscos para as populações mais vulneráveis».

Foram significativas também as saudações dirigidas aos peregrinos de língua inglesa — aos quais falou sobre o dia mundial da visão, «assegurando proximidade e orações pelos cegos e pelos deficientes visuais» — e aos brasileiros, pelo «momento difícil» que vive o país. Com os polacos, ao contrário, refletiu sobre a figura do cardeal Adam Kozłowiecki, que dedicou a vida no serviço humilde ao povo da Zâmbia.

Precedentemente, dando continuidade às meditações sobre a esperança cristã à luz da Palavra, Francisco abordou o tema da espera vigilante, sugerida pelo Evangelho de Lucas (12, 35-38.40). Tédio e resignação não pertencem ao cristão, explicou a tal propósito, acrescentando que «a pessoa submissa é um preguiçoso, alguém que quer viver acomodado». Ao contrário, o verdadeiro cristão «tem coragem de arriscar».

Audiência geral

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS