Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Apelo ao diálogo

· ​No Angelus o Papa pediu que se evitem as violências na República Democrática do Congo ·

E aos jovens da Ação católica recomendou que falem frequentemente com os avós

O Papa Francisco lançou um apelo ao diálogo na República Democrática do Congo, onde a crise política que se desencadeou com o termo do mandato presidencial de Kabila corre o risco de radicalizar as contraposições, alimentando um clima de ódio e de violência. «Peço a todos vós que oreis a fim de que o diálogo na República Democrática do Congo se realiza com serenidade para evitar qualquer tipo de violência e para o bem do país inteiro», invocou na conclusão do Angelus recitado na praça de São Pedro ao meio dia de 17 de dezembro.

Precedentemente, o Pontífice inspirou-se no Evangelho do último domingo de Advento para recordar as figuras de Maria e José, que «foram os primeiros a acolher Jesus mediante a fé» e que «nos introduzem no mistério do Natal». A primeira, explicou, «ajuda-nos a colocar-nos em atitude de disponibilidade para receber o Filho de Deus na nossa vida concreta», enquanto «a segunda nos impele a buscar sempre a vontade de Deus e a segui-la com plena confiança». Ambos, frisou, «se deixaram aproximar por Deus».

No final, saudando os grupos presentes, o Pontífice quis «agradecer a todas as pessoas e instituições» que lhe transmitiram os parabéns por ocasião do seu octogésimo aniversário, celebrado no dia 17. Nessa ocasião, Francisco recebeu telefonemas e telegramas de bons votos de vários líderes internacionais, enquanto dezenas de milhares foram as mensagens enviadas por correio eletrónico do mundo inteiro: os mais numerosos em inglês, espanhol, polaco e italiano. Significativos, em especial, os votos feitos por Bento XVI, através de uma mensagem escrita e muito carinhosa, que foi particularmente apreciada por Francisco. Na tarde de sábado 17, o Papa emérito telefonou ao seu sucessor, enviando-lhe também três pequenos presentes que Francisco recebeu como três sinais muito pessoais e significativos para ambos.

Enfim, na manhã do dia 19, na Sala do Consistório, o Pontífice recebeu os votos de Natal de uma delegação de jovens da Ação católica italiana, aos quais recomendou em particular que falem frequentemente com os avós.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS