Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Antes de tudo Deus

· Não é causal que o primeiro documento promulgado pelo Vaticano II tenha sido a «Sacrosanctum Concilium» ·

Em Dezembro passado, celebrou-se o cinquentenário da aprovação da primeira constituição do concílio Vaticano II, Sacrosanctum Concilium. Esta constituição apoiou a grande e autêntica renovação litúrgica do nosso tempo. Para falar da renovação litúrgica do concílio Vaticano II é preciso situar tal renovação no conjunto do próprio concílio e recordar, para esta finalidade, que o Vaticano II irrompeu como um novo Pentecostes, uma primavera que abriu uma esperança de vida nova e uma fecunda transformação interior, segundo o propósito divino. 

O concílio Vaticano II, como recordou Bento XVI no primeiro volume da sua Opera omnia, iniciou os seus trabalhos com a deliberação sobre o esquema da sagrada liturgia, que a 4 de Dezembro de 1963 foi aprovado solenemente, como primeiro fruto da grande assembleia eclesial, com a qualificação de constituição. De certo modo, foi uma causalidade, julgando de fora, que o tema da liturgia tenha sido tratado no início dos trabalhos conciliares e que a relativa constituição tenha sido o seu primeiro acto. João XXIII convocou a assembleia dos bispos antes de tudo com a vontade, partilhada por todos, de actualizar o cristianismo numa época de mudanças, sem adotar contudo um programa pré-organizado. As comissões preparatórias apresentaram uma longa série de esboços, mas faltava uma chave para detectar um caminho no âmbito do conjunto de propostas feitas. O texto sobre a sagrada liturgia parecia ser o menos controvertido e, deste modo, pareceu o mais adequado para constituir uma base de partida para o concílio, quase como uma rodagem que permitisse aos padres conciliares testar um método para os trabalhos. O que exteriormente parecia ser só uma mera causalidade resultou como o instrumento mais adequado em relação à importância dos temas tratados e à metodologia dos trabalhos do concílio. Com este início que vertia sobre o tema da liturgia evidenciava-se inequivocamente a primazia de Deus na vida da Igreja: antes de tudo Deus; foi o slogan que se manifestou confiando o início de todos os trabalhos à liturgia. Quando o olhar para Deus não está no primeiro lugar, o restante perde a própria orientação.

Antonio Cañizares Llovera

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS