Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Amizade entre leigos e sacerdotes

· ​Ao Serra International ·

O «discípulo missionário» é chamado «a abandonar o solo das próprias seguranças e a iniciar a “santa viagem” rumo à terra prometida do encontro» com Deus e com os homens: recordou o Papa aos participantes na convention da Serra International, recebidos no Vaticano na manhã de 23 de junho, festa do Sacratíssimo Coração de Jesus Cristo e dia de santificação sacerdotal.

Provenientes de treze nações, os “serranos” reuniram-se em Roma de 22 a 25 de junho para se confrontar sobre a atividade inspirada pelo franciscano espanhol Junípero Serra, missionário no México e no território da atual Califórnia no século XVIII, canonizado por Francisco em Washington em setembro de 2015.

A estes leigos comprometidos no apoio às vocações sacerdotais e à vida consagrada o Papa falou em particular da importância de «ser amigos». Em primeiro lugar, recordou, amigos de seminaristas e sacerdotes, ajudando-os e acompanhando o seu ministério. A este propósito, o Pontífice recordou que a palavra “amigo” já está gasta. «Todos os dias entramos em contacto com pessoas diversas, que muitas vezes definimos “amigos”, mas – explicou – é um modo de dizer». Aliás, acrescentou, «no horizonte da comunicação virtual, o termo “amigo” é um dos mais usados». Não obstante tudo, advertiu o Papa, «um conhecimento superficial não é suficiente para ativar aquela experiência de encontro e de proximidade à qual a palavra “amigo” faz referência». Em particular, o termo adquiriu um significado ainda mais importante com Jesus: com efeito, «é possível ser amigos somente se o encontro não permanecer externo ou formal, mas se se tornar partilha do destino do outro, compaixão, envolvimento».

Daqui a exortação a pôr em prática o que normalmente «faz um amigo» deixando-se iluminar pela imagem «de são Junípero que, coxo, se obstina em pôr-se a caminho, viajando rumo a San Diego para plantar ali uma cruz. Tenho medo dos cristãos que não caminham – confidenciou – e se fecham no próprio canto. É melhor proceder coxeando, por vezes caindo, do que ser “cristãos de museu”».

Discurso do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS