Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Alfabeto colorido

· Na audiência geral o Papa falou sobre a beleza da arte ·

Durante séculos os pintores «molharam o seu pincel naquele alfabeto colorido que é a Bíblia». Bento XVI citou uma expressão de Marc Chagall para reafirmar a convicção de que a arte é um dos caminhos mais sugestivos e eficazes para encontrar Deus. Falando aos fiéis que foram a Castel Gandolfo para a audiência geral de quarta-feira 31 de Agosto — que teve lugar na praça diante do Palácio Pontifício — o Papa convidou a redescobrir nas expressões artísticas uma «parte daquela “via pulchritudinis” que hoje o homem deveria recuperar no seu significado mais profundo».

Nesta perspectiva — explicou — a obra de arte torna-se «uma porta aberta rumo ao infinito, a uma beleza e verdade que vão além do quotidiano». Uma experiência que todos podem fazer diante de uma escultura, de um quadro, de uma obra arquitectónica, de uma poesia ou de um trecho musical. E que Bento XVI confidenciou ter vivido várias vezes, recordando em especial os sentimentos que um trecho de Bach suscitou nele durante um concerto dirigido em Munique por Leonard Bernstein.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

13 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS