Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Advento

Eis que chegou novamente o Advento, o tempo da expectativa e do olhar projectado para o futuro. Advento: tempo dos desejos pequenos e desmedidos, dos desejos dramáticos de quem tem fome de pão e de justiça, de quem procura razões para viver, de quem, cansado da noite, gostaria de apressar o dia: «Despertai harpa e cítara, quero despertar a aurora!» ( Sl 107, 3).

Advento, tempo do teu desejo mas também do desejo de Deus sobre ti.

Tu que desejas um futuro melhor para ti, e Deus que deseja dar o futuro melhor a todos. Tu não sabes o que pedir, Ele sabe o que te dar. Tu que desejas receber. Ele que vem ter contigo, propondo-te a construção de um futuro novo juntos.

Do encontro dos dois desejos nasce a esperança.

O Advento colora-se de esperança quando te apercebes de que o teu desejo não acabará no vazio, nem foge com o vento, como sonho ilusório e inconsistente, porque se encontra com o desejo de Deus que estende a sua mão para apertar a tua; monta a sua tenda entre nós para nos ajudar a mudar a nossa história e a do mundo.

O Advento fala-te de uma expectativa que já se realizou no passado para te encorajar e te projectar no futuro. Fala-te de Deus que se fez Menino para te ensinar a tornar-te adulto no seu Reino.

Olha com admiração a humildade do teu Deus que retoma contigo, em Belém, a tua história, entrelaçando-a com a sua e com a dos teus irmãos.

O Advento revela-te a tua tarefa na aventura humana: ao lado de Deus podes fazer crescer a fraternidade dentro de ti, ao teu lado, no teu julgamento, em casa e na rua, no trabalho e no bar, na tua comunicação pelo telefone, na internet e nos blogs.

É uma tarefa sobre a qual se ouvem os anjos que garantem a «paz na terra aos homens amados por Deus».

E se não é suficiente, eleva o teu olhar e observa a conclusão de tudo o que podes ver com os olhos e com a consciência: civilizações que se extinguem, estrelas que se apagam, sepulcros que se abrem, o universo que olha ansioso.

Vem o Senhor da vida sobre as nuvens do céu para dar vida a quem cuidou da vida, exaltar quem a tornou boa e bonita, quem se comprometeu em dar esperança, semeando fraternidade: «Tive fome e destes-me de comer».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS