Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Acrescenta um lugar à mesa

· O Papa Francisco no refeitório do centro industrial ·

Não acontece todos os dias poder comer na mesma mesa com o Papa. Esta manhã aconteceu a operários e empregados da Cidade do Vaticano que habitualmente almoçam no refeitório da zona industrial.

A visita que ninguém podia imaginar aconteceu numa manhã de fim de Julho, sexta-feira 25, quando muitos empregados em serviço se preparavam para almoçar. Alguns já sentados à mesa, outros na fila como todos os dias diante dos balcões para serem servidos, viram entrar o inesperado hóspede, que chegou por volta das 12h10.

Com admiração e surpresa de todos, também o Papa Francisco se pôs na fila com o tabuleiro na mão. «Pediu “fusilli in bianco”, uma dose de pescada, verduras grelhadas e um pouco de batata frita. Não tive a coragem de lhe apresentar a conta» confidencia ainda emocionada Claudia Di Giacomo, que naquele momento estava de serviço na caixa.

Imediatamente circundado pelos presentes, cujo número continuava a aumentar com o passar do tempo, o Papa Francisco apertou sorridente muitas mãos. Na mesa sentou-se ao lado de cinco armazenistas da Farmácia vaticana, em t-shirt azul. «Descrevemos-lhe o nosso trabalho, como se realiza e quantos somos. E ele falou-nos das suas origens italianas» explica um dos comensais. Os seus colegas acrescentam imediatamente que falaram também de futebol – o Pontífice é um torcedor do San Lorenzo de Almagro, equipa que milita no campeonato argentino – mas também de economia. De vez em quando houve quem se aproximou para o inevitável selfie. Máquinas fotográficas, telefones, tablets, tiraram fotos continuamente. O Papa minimamente incomodado continuou a sorrir e a comer, prosseguindo a conversa com os seus interlocutores.

No fim do almoço, por volta das 12h50, o Pontífice levantou-se da mesa e com alguns operários deixou que tirassem a clássica foto recordação num clima de grande familiaridade. Por fim, antes de se despedir, mais uma foto com o grupo do pessoal à saída do refeitório. Entrando no carro do seu ajudante de câmara, Sandro Mariotti, que o acompanhou, o Papa Francisco voltou para Santa Marta.

A visita durou no total uns quarenta minutos. Um tempo breve, mas suficiente para conhecer outro ângulo do mundo vaticano e das pessoas que aí trabalham, depois de ter visitado, a 9 de Agosto do ano passado, o centro industrial, encontrando carpinteiros, ferreiros, hidráulicos, electricistas e empregados de L'Osservatore Romano, cuja sede se encontra precisamente no minúsculo bairro industrial do Vaticano.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS