Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A quem interessa realmente o que a Igreja pensa?

· As complexas relações entre o Vaticano e a imprensa internacional ·

Publicamos integralmente a introdução escrita pelo nosso director para o livro, por ele preparado, Il filo interrotto. Le difficili relazioni tra il Vaticano e la stampa internazionale (Milão, Mondadori, 2012, 145 páginas, 17.50 euros). O volume recolhe as intervenções do dia de estudo que «L'Osservatore Romano» organizou no vaticano a 10 de Novembro de 2011 por ocasião do sesquicentenário da sua fundação.

O livro – escreve Giovanni Maria Vian – trata, pela primeira vez em absoluto, «a relação, complicada e difícil, entre Igreja católica e mass media. Com um título, Incomprensioni, certamente eficaz, mas que à primeira vista poderia parecer redutivo. Mas ao contrário o dia evitou este risco, «como demonstram estas páginas, escritas por figuras de primeiro plano no âmbito dos estudos e da comunicação: dois professores de história contemporânea, cinco jornalistas não italianos e um cardeal. Vozes entre si diversas mas unidas pela vontade de compreender sem teses previamente constituídas um ponto crucial que, mesmo não estando limitado aos últimos anos, inclui temas de estreita actualidade».

Reconstruindo o andamento histórico deste fio de relações, Vian recorda o encontro entre Paulo VI e Alberto Cavallari, ocorrido a 24 de Setembro de 1965. Escreverá depois o jornalista do «Corriere della Sera»: «Via um homem descontraído, espontâneo, pouco semelhante ao papa magro, tenso, ou introverso, ou nervoso, ou diplomático, que normalmente se descreve. «Sabe, é com prazer que falamos do Vaticano» disse imediatamente o papa afavelmente, com expressão subtil. “Hoje muitos procuram compreender-nos e estudar-nos. Há tantos livros sobre a Santa Sé e o Concílio. E alguns até são bem feitos, como vê. Mas muitos garantem que a Igreja pensa certas coisas sem nunca terem perguntado à Igreja o que pensa. E, no final de contas, também a nossa opinião deveria ter algum peso em tema de religião”»

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Janeiro de 2020

NOTÍCIAS RELACIONADAS