Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A liberdade da verdade

· Bento XVI juntamente com os cardeais abriu o consistório com um dia de oração e de estudo ·

Com o canto do Veni creator Spiritus na Hora terceira teve início na manhã de 19 de Novembro o Consistório para a criação de 24 cardeais.

A libertas Ecclesiae e a liturgia estiveram no centro dos trabalhos da primeira parte do dia de oração e reflexão do Colégio cardinalício convocado pelo Papa. No início do encontro, na nova Sala do Sínodo, o cardeal decano Angelo Sodano saudou o Papa que, em seguida, tomou a palavra para introduzir os dois temas da manhã. No primeiro recordou que, no mandato do Senhor de anunciar o Evangelho está ínsita a exigência da liberdade, embora a ela se oponham muitos poderes parciais. A relação entre verdade e liberdade é essencial, mas hoje enfrenta o desafio do relativismo, que termina por destruir a liberdade, como ditadura intolerante. Quanto ao segundo, o Papa evocou a importância essencial da liturgia na Igreja, como lugar da presença de Deus connosco.

Após esta reflexão foram examinados os dois temas, respectivamente, pelo cardeal Tarcisio Bertone e pelo cardeal Antonio Cañizares Llovera.

O cardeal Bertone traçou um panorama das tentativas de limitar a liberdade dos cristãos no mundo, convidando a meditar sobre a situação da liberdade religiosa no Ocidente: embora estas nações devam ao cristianismo os traços profundos da sua identidade e cultura, assiste-se hoje a um processo de secularização com tentativas de marginalização dos valores espirituais da vida social. Depois, o cardeal discorreu sobre a situação da liberdade religiosa no mundo islâmico. Enfim, falou sobre a actividade da Santa Sé e dos vários episcopados em defesa dos católicos no Ocidente e no Oriente, recordando o empenho contínuo da Santa Sé no campo internacional para promover o respeito pela liberdade religiosa. O cardeal Cañizares Llovera falou sobre o segundo tema, inspirando-se na doutrina do Concílio Vaticano II e no magistério de Bento XVI.

No debate que se seguiu intervieram 19 cardeais, que aprofundaram a problemática da liberdade religiosa e das dificuldades na actividade da Igreja no mundo. Falou-se ainda das graves dificuldades que a Igreja encontra na defesa dos valores fundados no direito natural, como o respeito pela vida e o apoio à família.

Um tema que chamou a atenção foi o diálogo inter-religioso, com várias sugestões para enfrentar os desafios diante da Igreja. Outras intervenções debruçaram-se sobre a liturgia, a centralidade da celebração eucarística na vida da Igreja e o respeito devido à Eucaristia. À tarde houve duas comunicações, respectivamente, do cardeal William Levada sobre as recentes normas da Santa Sé em relação à aceitação na Igreja de sacerdotes e fiéis anglicanos, e à defesa dos menores vítimas de abusos da parte de membros do clero; e de D. Angelo Amato, sobre a actualidade da Dominus Iesus.

Participaram também os 24 prelados que neste sábado são criados cardeais. Na conclusão dos trabalhos da manhã, o Papa ofereceu um almoço em honra dos cardeais.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS