Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A importância da mulher na santificação do mundo

As místicas medievais expressão máxima da emancipação feminina

Pensar as questões relacionadas com o papel da mulher no mundo e na dimensão eclesial exige que ultrapassemos o estigma da desordem, introduzida por Eva com o pecado original. Ao longo dos tempos, a plena identidade feminina tem sido mal assimilada nos diversos âmbitos social, cultural, político, económico, familiar e religioso. Frequentemente, a mulher vê-se remetida para um papel considerado secundário, de esposa e mãe, que impede o seu total desempenho nas vicissitudes históricas. Na última década, Joseph Ratzinger alertou para a existência de duas fortes orientações culturais, pautadas por ideologias feministas, que estão na base da antropologia de género . Estas propostas culturais, que têm como objectivo a modificação do ser humano, são uma consequência da incapacidade de gerir a diferença. O actual panorama mundial mostra-nos duas formas extremas de anulação da identidade feminina, que provêm de uma leitura e visão redutora da dimensão histórica. Estes extremismos são denunciados num documento da Congregação para a Doutrina da Fé, dirigido aos Bispos da Igreja Católica, «Sobre a Colaboração do Homem e da mulher na Igreja e no mundo» (31-V-2004, n.8).

Face a este contexto social e cultural, Bento XVI  desenvolveu  o tema da mulher em audiências gerais dedicadas às grandes místicas da Idade Média. Segue a mesma linha de orientação iniciada por João Paulo II na Carta Apostólica A Dignidade da Mulher , ousando afirmar que só através da mística cristã a mulher – casada ou consagrada - poderá encontrar a sua plena identidade, actuando eficazmente no mundo. Presentes nos momentos cruciais da Paixão e da Ressurreição, as mulheres são protagonistas da nova antropologia da ressurreição que se define numa profunda relação de amor a Jesus Cristo. Só esta forma esponsal e fecunda agrega a diferença e pode inviabilizar as modificações a que a cultura de género submete, actualmente, o ser humano.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS