Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A força que transforma o mundo

· O Pontífice conclui o Encontro das famílias relançando a fecundidade do amor matrimonial ·

Em 2015 em Filadélfia, nos Estados Unidos da América, o próximo encontro internacional

«A vossa vocação não é fácil de viver, especialmente hoje, mas a força a do amor é a única que pode deveras transformar o mundo». À grande assembleia de famílias reunida na manhã de domingo, 3 de Junho, no parque de Bresso, o Papa deixa uma mensagem que conjuga realismo e confiança. Para o acto conclusivo do sétimo encontro mundial, hospedado pela arquidiocese de Milão, escolhe palavras encorajadoras e tons de esperança. Sem esconder as dificuldades – como as dos casais marcados «por experiências dolorosas de falência e de separação», às quais garante  o apoio e a proximidade da Igreja – mas reafirmando a vocação especial e insubstituível da família, «primeira escola das virtudes sociais» e recurso precioso «para construir sociedades com um rosto humano». Aos cônjuges, sobretudo, o Pontífice dita uma espécie de decálogo da vida familiar no qual indica «os caminhos para crescer no amor»: manter uma relação constante com Deus e participar na vida eclesial, cultivar o diálogo, respeitar o ponto de vista do outro, estar prontos para o serviço, ser pacientes com os defeitos do outro, saber perdoar e pedir perdão, superar com inteligência e humildade os eventuais conflitos, concordar as orientações educativas, ser abertos às outras famílias, atentos aos pobres, responsáveis na sociedade civil. «Todos estes são elementos que constroem a família» afirma convidando os cônjuges a vivê-los «com coragem», na certeza de que «com o apoio da graça divina, vos tornareis um Evangelho vivo, uma verdadeira Igreja doméstica».

Bento XVI volta a dirigir-se também aos políticos e aos administradores para pedir que não deixem as famílias sozinhas – a referência é sobretudo àquelas atingidas pela crise e pelo drama do terramoto – e que promovam acções que favoreçam a conciliação entre «os tempos do trabalho e as exigências da família, a profissão e a paternidade e  maternidade, o trabalho e a festa». De facto, não é «a lógica unilateral do útil e do máximo proveito que pode concorrer para o bem da família e edificar uma sociedade justa», admoesta na conclusão, marcando encontro aos presentes em 2015 na cidade estado-unidense de Filadélfia, onde terá lugar o próximo encontro mundial.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS