Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A arte da alegria

· Audiência de Bento XVI por ocasião da peregrinação do povo do mundo do espectáculo itinerante ·

«A alegria dos espectáculos, a alegria dos jogos recreativos, a beleza das coreografias, o ritmo da música são um caminho directo de comunicação para dialogar com os pequenos e com os grandes, suscitando sentimentos de serenidade, júbilo e concórdia». Com esta convicção o Papa quis receber em audiência na manhã, de sábado 1 de Dezembro, mais de setenta mil participantes na peregrinação do povo do espectáculo itinerante, promovido no âmbito do Ano da fé pelo Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes.

Na vigília do início do tempo do Advento na Sala Paulo XVI respirou-se o clima festivo de Natal, com exibições acrobáticas e coreográficas de profissionais que vieram de todas as latitudes. A audiência – que teve um momento especial quando Bento XVI acariciou dois filhote de Leão – foi o sinal de uma estima e de um afecto por uma realidade, a do espectáculo itinerante, confirmada no discurso do Pontífice que revelou conhecer bem «os numerosos problemas relacionados com a condição de itinerante, como por exemplo a educação dos filhos, a busca de lugares adequados para os espectáculos, as autorizações para as representações e de residência para os estrangeiros». A ponto de desejar que «as administrações públicas, reconhecendo a função social e cultural do espectáculo itinerante, se comprometam pela tutela da categoria», encorajando a sociedade civil «a superar qualquer preconceito».

Ao dirigir-se directamente aos profissionais do espectáculo itinerante Bento XVI afirmou que aprecia sobretudo os valores tradicionais. «No vosso ambiente – afirmou – mantém-se vivo o diálogo entre as gerações, o valor da amizade, o gosto do trabalho de equipe. Acolhimento e hospitalidade são uma vossa característica». De resto – concluiu - o vosso trabalho requer renúncia e sacrifício, responsabilidade e perseverança, coragem e generosidade: virtudes que a sociedade hodierna nem sempre aprecia, mas que contribuíram para formar, na vossa grande família, inteiras gerações».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS